Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Utopias Concretizaveis

Utopias Concretizáveis é um espaço em busca de um mundo melhor, através dos sentidos, sentimentos e pensamentos da autora, nas suas reflexões intimistas e, quiçá, inspiradoras, marcadamente politizadas.

Utopias Concretizaveis

Utopias Concretizáveis é um espaço em busca de um mundo melhor, através dos sentidos, sentimentos e pensamentos da autora, nas suas reflexões intimistas e, quiçá, inspiradoras, marcadamente politizadas.

31
Ago22

Declínio português

istockphoto-1153857345-170667a.jpg.

Portugal tem uma história longa e rica e passou recentemente por um período particular, no sentido em que foi condenatório das nossas atuais circunstâncias. Felizmente tivémos um visionário, Mário Soares, que percebeu que a Europa seria a ligação natural com as quais o país teria de estabelecer fortes ligações, passando estas pela adesão a uma organização supra-nacional, a CEE. Vamos, porém, perceber as atuais circunstâncias de um povo:

Temos uma constituição de 76, um Código Civil de 66, e, já agora, por exemplo, um regulamento geral de edificação urbana de 1951!!! Discorramos sobre o assunto: não fosse este regulamento tecnicamente um absurdo, ele é produto de uma visão salazarenta e retrógrada, e isto ainda nos rege! Há falta de habitação em Portugal. A burocracia é tremenda, os obstáculos quer a nível central, quer a nívelo local (com PDM's caducos e estúpidos) e o investimento é, por isso, nulo. Salazar nunca imaginou que Portugal se tornasse um país de destino massivo de brasileiros e outros palops, mas também de europeus, americanos, indianos e outros, todos por razões diferentes, todos com um objetivo comum: ter uma melhor qualidade de vida. O que é que acontece? Tudo em simultâneo de há anos para cá? Portugal forma os seus cidadãos em áreas completamente desfasadas da realidade empresarial e nas necessidades do país, tem uma qualidade de emprego duvidosa, uma quantidade de emprego escassa, e uma volatilidade enorme no emprego em oposto contraste ao emprego do funcionalismo público. A falta de habitação e a falta de empregos levou milhares de portugueses à emigração, interrompida circunstancialmente pela pandemia, mas a iniciar novamente esta sangria nacional. Portugal não cuida nem cuidou dos seus. Nestas circunstâncias ( alargamento da frequencia escolar, muitas vezes até ao último grau, o de doutor), a precariedade, a habitação cara, faz com que as cidadãs adiem ou não concretizem a maternidade, estando o país  no ranking dos países mais envelhecidos do mundo!! Demografia, Habitação, Emprego, Educação e Saúde, tornaram-se, assim, os sectores mais anacrónicos e caducos do país, obstaculizando o seu desenvolvimento. Sociedades mais jovens são mais dinâmicas, onde há habitação há mais procriação, onde há trabalho há dinheiro, onde há educação há progresso, onde há saúde há tudo! O grande cancro do mundo é a ganância da geo-finaça, e começa a haver sinais da ganância individual no mais puro darwinismo social, em toda a parte face a pressão demográfica e a escassez (cada vez maior) de recursos naturais. Os fundos de investimento, futuros, ações, obrigações e agora criptomoedas são meros instrumentos dos capitalistas para perpetuar e acentuar o sistema. A nível micro: o que faz o valor de uma habitação? Bem, poderia dizer-se que é a lei da oferta e da procura. Errado. O que faz o valor de uma habitação é uma avaliação subjetiva e manipulada efetuada pela banca! São os bancos que prestam crédito, por isso, os preços das habitações serão sempre o mais elevados possível! Ora isto é totalmente inaceitável. Não podemos deixar que seja meia duzia de empresas a determinar o valor de mercado de um bem quando o mercado não funciona, nunca funcionou e nunca funcionará e, sobretudo, quando, sempre que uma dessas empresas parte a corda que estica todos os dias, é o cidadão/contribuinte que paga. Os portugueses precisam de se organizar, pensar o país, saber o que querem. Temos das melhores leis do mundo, mas sem justiça a funcionar, sem fiscalização (outro enorme calcanhar de aquiles no país) a funcionar, sem educação cívica e cultural das pessoas ao estilo nórdico, nunca avançaremos enquanto país, e temos tudo para isso! Sabemos que vivemos tempos de transição de hegemonias, quando os EUA eram hegemónicos houve verdadeiros milagres económicos do outro lado, agora que estão eles a tomar a dianteira, está na hora de fazermos nós, portugueses, o nosso milagre económico (e social) ou, então, desapareceremos enquanto povo.

 

25
Ago22

Saúde!

surgery-3113314-0117-8col.webp.

"Tudo é nada sem saúde" escreveu o filósofo grego Sócrates, e tinha razão. Quem não tem saúde, quem não está bem, quem é diferente daria tudo para ser normal, comum, saudável. Casas, carros, dinheiro na conta, tudo isso de nada serve...nada....De nada serviu a Steve Jobs, de nada serviu a Madoff, de nada serve a tantas e tantas figuras públicas que todos os dias passam pelos nossos ecrãs. No meio da sorte ( a cirurgia de hoje ter corrido bem) e do azar, ou dos azares da minha vida, (duas cirurgias desnecessárias, a contar com a de hoje, e todo o histórico por trás, lembrando que, qualquer anestesia dá cabo da memória e do organismo como um todo) existe um traço comum: a ignorância. Ignorância essa que eu tenho e ignorância também da classe médica. A minha inicial não a posso assumir, era criança e adolescente; a dos médicos quero que assumam e vou fazer tudo por tudo para isso, pois a aprendizagem reside na humildade e na capacidade de aprendizagem com os outros, sejam eles quem forem. Todos na vida temos de assumir as nossas responsabilidades principalmente quando de nós dependem outros. Ignorância e não assunção de responsabilidades são duas coisas que me incomodam de sobremaneira. Aprendi, porque a vida me obrigou a isso, a lutar, não conseguindo fugir às consequências da ignorância (numa área de conhecimento que não é a minha) observar pessoas mais velhas de casa a manter a calma, a focar no momento, a viver o agora quando se tratam de momentos complicados, e abstrair, deixar levar pela corrente, afastar pensamentos. A única vantagem destas situações desagradabilíssimas é que se transformam em aprendizados... Infelizmente, por ignorância minha e dos outros (a minha transforma-se em impotência persistente, ou seja, persisto em combatê-las, a ignorância e a impotência, com todo o meu afinco) as vidas ficam suspensas, são alterados os seus rumos, os seus sonhos tornados impossíveis. A ignorância torna sonhos impossíveis. A apatia também. Ter saúde, e, por conseguinte, ter tudo, requer assim um comportamento ativo, uma esperança na cura e uma cura de esperança, pois que o sistema, o sistema de saúde, todo o sistema, aqui e em qualquer parte do mundo está deficitário, doente e ignorante. Não adianta responsabilizar o colectivo, não, pelo menos em Portugal. Falta mudar mentalidades, culturas, personalidades colectivas. Devemo-nos permitir descansar, sonhar nestes momentos mais complicados. Não exigir tanto de nós...É nestas alturas que mais precisamos de luz e de fé, de sonhar, de refletir e, sobretudo, de descansar. Nada do que foi será, e o que é mau não dura para sempre. O melhor está lá à frente!.......Saúde!

24
Ago22

Sentimento de Si

força.jpg.

Sentimento de Si é o título de um Livro dos cientistas médicos António e Hanna Damásio, focado nos assuntos da filosofia, psicologia e neurociências, temas que me têm fascinado nos últimos tempos pelo enorme aprendizado e enriquecimento interior que me têm trazido, tanto em termos abstractos como em termos práticos. Analisarmo-nos e analisarmos o mundo que nos rodeia é fundamental para fazermos as melhores escolhas para a vida que temos e que queremos rumo à felicidade, ao amor, à bondade, ao sentido em nós próprios. São descobertas fabulosas e escolhas mais iluminadas principalmente quando ao nos autoanalisarmos percebemos o orgulho que temos em nós próprios, as forças inimagináveis que possuímos nas maiores adversidades, e refletimos sobre os caminhos que tomamos e os sonhos que queremos concretizar. A felicidade de concretizar sonhos que antes pensávamos totalmente inalcançáveis é algo que extravasa qualquer dor ou sofrimento corrente! É a intuição a falar de que o sentimento que temos é legítimo e justificado. Emoções, pensamentos e comportamentos são todas áreas de estudo científico ainda em fase de crescimento. As nossas vidas, as nossas escolhas e quem nos rodeia determinam quem somos. Costuma-se dizer que somos produto das 5 pessoas que nos rodeiam. Ao longo da vida vamos inconscientemente e depois mais conscientemente escolhendo quem queremos que sejam essas 5 pessoas, escolhemos pessoas que gostamos, que admiramos e, no caso de as conhecermos pessoalmente a um nível mais próximo, que gostem de nós e se preocupem da mesma forma, com total reciprocidade. A Psicologia, Filosofia e Sociologia trás uma compreensão mais lúcida dessas escolhas que fazemos. A vida é feita num comboio com destino indeterminado cheio de estações de paragem. Esperamos sempre continuar viagem enquanto observamos os outros a ficarem em estações diferentes das nossas. Uma vida com sentido e feliz é uma vida onde concretizamos os nossos sonhos, independentemente de tudo. Pode haver, sempre há, acontecimentos que nos roubam o sorriso e a alegria de viver, mas é a maneira como lidamos com eles que nos faz fortes. Ninguém gosta de gente fraca por isso ser fraco não é opção, mesmo debaixo de dores insuportáveis quotidianamente. Reinventamo-nos. Significamo-nos. Encerramos ciclos. Escolho fugir de quem tem determinados traços, características, gostos, mundivisões e estilos de vida que nada têm a ver comigo. Há 9 biliões de seres humanos no mundo! Há muita gente inspiradora, com substância, generosa, boa e interessante por aí. Materialismos, hedonismos, futilidades e maldades não são coisas que queiramos ter perto, a partir de uma certa reflexão que fazemos da vida. A paz e sobretudo a evolução humanista individual seve ser o objetivo primordial. O tempo existe, e o sentimento de cada um de nós para connosco deve ser usado da forma mais sabiamente possível. Que todos nos possamos guiar pelos nosssos sonhos para os concretizarmos, mesmo quando são tão inesperadamente e rapidamente concretizados. Não há nada melhor do que andar com sorriso constante de orelha a orelha, mesmo enquanto decorrem processos de profundo sofrimento. Fé e esperança! Desistir não é opção. Quem é forte sente-se sempre forte, contra todos os Golias. Seguir o caminho da felicidade interior é sempre a escolha mais acertada, é o maior Sentimento de Si.

23
Ago22

Opinion Fakers

picture_opinion_leader.jpg.Pensa-se pouco, e pensa-se mal. Usualmente as pessoas que escrevem para os jornais e revistas têm alguma qualidade, na escrita, na forma e no conteúdo, ainda que do conteudo se possa discordar a 100% a 50% ou concondar plenamente. O que acontece é que neste país há um défice de raciocinio científico. Toda a gente opina, mas poucos mostram, demonstram dados para que as suas opiniões possam ser refutadas ou confirmadas. Desconheço se é da condição habitual nestes tempos de veraneio ou se é falta de tempo para robustecer opiniões mas dois textos seguidos de dois opinion makers com qualificações académicas do mais alto nível completamente disparatadas é demasiado. No primeiro caso, o autor discorre sobre o avanço científico com a primeira revolução industrial mostrando que Malthus estava errado quando afirmou que o crescimento demográfico era exponencialmente superior ao crescimento dos recursos para o alimentar. O autor acrescenta que não é o número de pessoas que impacta o meio ambiente. (se não é gostaria de saber o que é...). O autor socorre-se de estudos académicos para dar reforço à sua tese de que as pessoas (como eu) que defendem que o crescimento da população mundial é insustentável, sem apresentar esses mesmos estudos académicos. De facto, escrever-se que a nossa opinião se sustenta em estudos académicos é, aparentemente, geradora de mais autoridade, só que não, só mesmo aparentemente. Sim, assusta-me o crescimento demográfico mundial. Porquê? Porque me assusta saber que se em países desenvolvidos os níveis de pobreza são enormes, como será em países paupérrimos!! Acaso alguém pergunta a essas mães se querem ter esses filhos EM CONSCIÊNCIA???? Este tipo de comentadeiros normalmente o que pensa não é no outro, no caso, nas outras, mulheres e crianças, mas sim nos seus umbigos cegos e sórdidos. As mulheres são mais do que buracos, muito mais...Ainda agora corre a informação de que o corno de África duplicou o número de pessoas sem acesso a agua potável....Ou seja, como a televisão não mostra a miséria que corre neste mundo toca a emitir opiniões estupidas baseadas em estudos incógnitos, no alto da sua poltrona da vida confortável no mundo "rico". Seguindo abaixo, outro comentadeiro a sustentar que as empresas mais ricas do mundo são empresas publicas, doente que é nas suas dicotomias maniqueístas e na sua arrogantemente falsa superioridade moral, assinalando que essas empresas públicas são, nem mais nem menos do que.........Chinesas..... Ora, será que sou eu ou os comentadeiros andam com os fusíveis trocados? Troquem! Não os fusíveis, mas os comentadeiros....Nem isso! Não é preciso tanto falar (escrever) e nada fazer...As sociedades avançam com acção.....Como diria a outra: Opiniões  todos temos, cada um dá a sua.....se quiser....Mas opinar por opinar as vezes mais vale estar quieto....Se são estes os nossos intelectuais, ......Fake them

22
Ago22

País desigual

portugal_bandeira.jpg.

Já dizia Antero de Quental dos Portugueses que não sabem nem se deixam governar. Alguns comentários a este blog em alguns momentos mencionam a Nação, a identidade, e toda uma série de valores conservadores, retrógrados, tacanhos, pouco inteligentes. Portugal é um país mal governado, que funciona mal, onde não existe educação, não existe conhecimento, não existe organização e muito menos ascenção social. Em Portugal, liga-se para organismos públicos, a título pessoal e profissional e nada funciona. Ninguém atende, ou atendem e não resolvem, neste pingue pong de passar a bola para fazer o mínimo possível. Portugal precisa de um choque! Choque de mentalidades, choque de culturas, choque social. Os portugueses fora de Portugal são excelentes trabalhadores, só aqui é que algo os torna improdutivos, como baratas tontas que nada sabem fazer, nem querem!!! Desde que o Pai Estado, direta ou indiretamente pingue, seja porque motivo for, está tudo bem! Todos empurram tudo com a barriga. Não há pensamento crítico, ninguém deixa ninguém fazer nada, anda tudo a olhar para o lado com futilidades como objetivos de vida. Não há Justiça, não há saúde, não há educação, ciência e investigação, não há economia produtiva e forte, não há nada!!! Este país é uma vergonha!! É uma vergonha desde há décadas!!! Senão desde há séculos! É um país com uma cultura tão doentia e estúpida que é triste só de ver! Sempre com a mania que somos os maiores, sempre com a mania que os outros é que têm de trabalhar, sempre com a mania de que o centro do mundo é aqui...Ridículo!! Falta mundo a Portugal! Falta avançar, falta acabar com burrocracias, falta cumprir Abril! Abril não é uma data específica de um ano específico num dado contexto. Abril é o símbolo de que o País tem tudo para ser um país fantástico, basta querer. Parece que ninguém quer....Triste....País atrasado....

13
Ago22

Trílogos

triangulo-10_xl.jpeg.

Trílogos, ou logos de racionalidade ou conhecimento e tri o factor quantificativo. Considero existirem dois trílogos no mundo humano: o trílogo da essencia da vida e o trílogo dos valores. O trílogo da essencia da vida é o triângulo representado pela base virada para cima, conhecido por ser ligado à mulher, mulher, a criadora da vida, o ser que dá vida, que gera vida dentro de si.

O trílogo da essencia da vida comporta 3 pontos distintos. O Amor no topo e a Felicidade e a Inspiração nas bases. O amor é a base de tudo. conceito tão explorado, sentimento tão forte que é redutor espartilhá-lo em conceitos significantes insuficientes. Em igual importância, a Felicidade. A felicidade é um sentimento que vem de dentro, que está presente em nós no mindset de frequência vibratória alta, com satisfação e alegria plena pela vida e pelo que nos rodeia. A Inspiração é o terceiro ponto base do triângulo da essência da vida. Inspiração nos seus dois sentidos. Inspirar enquanto verbo. Acto de introduzir oxigênio no nosso corpo, oxigênio esse fundamental, molécula fundamental para a existência de vida, e da vida humana. Inspirar enquanto substantivo, substância e subsistência da vida. Ensinar, ser modelo a seguir, conseguir de alguma forma aprovação e admiração de outrém, impactar positivamente a vida das pessoas. Qualquer pessoa, anónima ou figura pública pode ser inspiradora, infelizmente num mundo egoísta como o que vivemos, impactar a vida das outras pessoas positivamente, altruísticamente, é cada vez mais raro. O egoísmo, ou, somente, a indiferença ou a ignorância são as barreiras maiores à falta de (re)conhecimento de pessoas inspiradoras.

O trílogo dos valores é representado pelo triangulo invertido, conhecido como triângulo masculino. Os valores básicos da vida humana, Justiça, Liberdade e Verdade. A Justiça no topo do Triângulo, o valor mais importante para uma pessoa se guiar. Ser justo é ser tolerante, é ser solidário, é ser consciente. Ser Justo é ser virtuoso, sendo que a virtude era, para os estóicos, a finalidade última de todos os humanos. Ser justo é ser bom. A Liberdade é o outro ponto do triângulo. Ser livre é tudo! Livre para pensar, livre para falar, livre para agir. Ser livre é ter comportamentos não condicionados por amarras, físicas, psicológicas, económicas ou sociais. Feliz é quem é livre e quem é livre sempre será feliz. Não há palavras para expressar a importância da liberdade para o ser humano, é um fim em si mesmo, vale ouro e deve ser tido como tão importante como ser Justo. Por último, no terceiro vórtice, a verdade. A verdade é mais do que um valor em si. É um conceito que determina que em tudo o que existe existe algo de absoluto. A verdade é um valor supremo pois que tudo o que saia fora da verdade desvirtua o homem. A verdade é por si mesma virtuosa. A verdade é muitas vezes encoberta, ou de difícil alcance pelas percepções ou pelas palavras, ou falta delas, através da ignorância. A verdade é conhecimento, é conceito mestre para o guia do comportamento humano, pois é a verdade que faz a justiça. O mundo é injusto por causa da verdade ter sido tão maltratada ou desprezada pelos homens e pelo seu comportamento e (falta de) sabedoria.

Estes dois trílogos, da essência da vida, e dos valores são os meus trílogos, as minhas escolhas, a minha visão da vida e do mundo. Estando mais perto da Sophia estamos mais perto de nós, e de trilhar o nosso caminho, o caminho individual e o caminho comum. As nossas reflexões serão sempre orientações intimistas, serão eternos trílogos (diálogos sábios a três).

 

12
Ago22

O futuro incerto

1000x563_cmsv2_67c683af-5040-5a58-8511-5ea4374169e.Portugal tem finalmente uma oportunidade unica de se posicionar e negociar dentro da União Europeia. A guerra na Europa, aliada a uma crise energética veio despoletar a atenção para aquilo que poderia ter sido pensado como alternativa sólida há mais anos, uma vez que a situação vivida já havia sido alertada. Efetivamente a dependencia que a Alemanha tem da Russia foi uma dependencia consciente. Ora, parte agora do Governo Português ser consciente de que, neste momento, o poder está consigo, e de fazer valer as melhores condições para concretizar a alternativa do fornecimento russo. A par disto a UE está a acordar numa redução de cerca de 20% do consumo de gás. Ora, infelizmente, foi precisa uma guerra para se começar a acordar para a realidade das alterações climáticas, da exploração dos recursos naturais pelo homem para que os governos iniciassem o adoptar de medidas de contenção. O planeta está doente e as pessoas também. As características da União Europeia, para quem no inicio da guerra dizia que Putin já havia perdido a guerra, fazem com que se perceba que as fricções se vão começar a sentir em breve dentro da União Europeia: o descontentamento em cada um dos Estados Membros, a demografia europeia, presa a uma população envelhecida e uma forte pressão migratória, a desvalorização do euro, o esmagamento das classes médias e a falta de dois elementos essenciais vão fazer implodir o consenso. A Europa não tem dimensão. Não tem dimensão económica, não tem dimensão financeira, não tem dimensão populacional, não tem dimensão política, apenas se arroga, bem ou mal, de uma dimensão: a moral. Ora não pensar a Europa como um todo, não no plano interno mas no plano externo, desde que a CEE foi constituida foi um dos maiores erros da História. Passarem-se decadas a discutir quotas de castas de vinho, de leite, de batatas e coisas que tais criou um obstáculo ao pensamento de uma Europa única, de uma Europa forte. Anteriormente sempre fui um pouco hesitante em afirmar que o caminho era o de uma soberania total, pois Portugal, por ser um país pobre e pequeno iria sempre ficar a perder. Neste momento uma UE germanizada não causa qualquer estranheza, pois, de facto, os alemães são um povo conhecido pelo seu rigor, trabalho, progresso em todas, repito, todas as áreas de conhecimento. O futuro é incerto, mas nesta incerteza sabemos que a Europa perde. A Europa não produz o básico. Alimento e energia. Se a Europa não produz alimento morre de fome, se não produz energia morre de frio. Estamos em tempos que poderemos de facto, ou dar um salto histórico, ou regredir séculos. Os tempos estão turbulentos, Portugal tem o poder de dar a virada na sua estratégia internacional, seja com a Europa, seja com os EUA, seja com o Brasil. Estes três eixos prioritários serão a chave do sucesso no curto prazo. Que o futuro incerto traga a certeza da sabedoria, da esperança na paz, no progresso, e no respeito pela Natureza, pelo planeta e por nós mesmos.

10
Ago22

Saúde zero

hospital.jpg.

A saúde é o bem mais precioso de qualquer ser vivo, é o bem mais precioso do ser humano. Não ter saúde é a pior situação que pode acontecer. As histórias de superação exitem e são numerosas. Aliás, todos adoecemos uma vez ou outra e recuperamos rapidamente, pois o corpo humano é uma máquina fabulosa delicadamente inventada. Acontece que as sociedades não deram valor à necessidade de aprendizagem prática de nós mesmos, das nossas maleitas e do que fazer para evitar adoecer, não que se queira, porque ninguém quer, mas a assunção de comportamentos condizentes com o que faz bem e com o que faz mal para o corpo humano, bem como o conhecimento suficiente sobre a área da saúde é manifestamente escassa. Escasseia esta consciencialização desde tenra idade. A informação não circula. Os profissionais de saúde usam os seus jargões técnicos como arma de exclusividade da sabedoria que os coloca (?)acima do cidadão comum. Mesmo os modos de diagnóstico são rudimentares, quando, ao cidadão apenas é permitido dizer, dói-me aqui, dói-me ali, sinto isto, sinto aquilo.....meios de diagnóstico esses, indecifráveis....por exemplo, peguemos nas analises clínicas, o instrumento mais básico de avaliação geral do estado de saude de uma pessoa: alguém sabe o que são aquelas siglas todas e/ou aqueles nomes técnicos? Não. Resumo: sabemos zero acerca do básico. Quando nos precisamos de socorrer, vamos às urgências hospitalares: 6 ou 7 horas de espera só para ser visto pelo médico! Nessas horas todas vemos de tudo, e com uma coisa em comum: ninguém queria ali estar, ninguém está para fazer turismo, bem da vida e de saúde, antes pelo contrário. Infelizmente o mundo está tão de pernas para o ar que todas as caminhadas são solitárias, o egoísmo é visível. O sentimento só é atenuado quando existe um forte apoio dos mais próximos...Ainda assim é sempre uma travessia difícil. A ignorância colectiva quanto ao conhecimento básico da área é um entrave absoluto a vidas mais saudáveis e conscienciosas. Não se compreende o ego, muitas vezes equiparado, da classe superior, a médica, quando o seu juramento se trata de cuidar do outro. A medicina não nasceu com Hipócrates, mas foi este que lhe aplicou métodos racionais de conhecimento. Esta foi evoluindo lentamente até aos tempos modernos, mas ainda assim, escasseia a percepção de que é preciso mais conhecimento e mais compreensão geral dos cidadãos, escasseia a percepção de que a medicina avançou porque alguém ousou fazer diferente, porque alguém experimentou e resultou. Não se percebe que os serviços médicos estejam tão mal. Não se compreende como são gastos triliões em coisas absurdas, mas zero para o avanço da medicina e de problemas que afectam todos os dias biliões de pessoas. Em Portugal, a situação é tão má que os cuidados de saúde primários não dão resposta, por ignorância, má vontade ou má fé, quando não prescrevem meios de diagnóstico ou quando pedimos análises especificas e a nossa vontade não é atendida. Esacavando, acabamos por descobrir que tudo se trata do bolso pessoal dos profissionais de saude. Lamentável. O sistema está podre. Está moribundo. Se a escolha é fazer do bem mais básico e mais principal do ser humano um bem mercantil, então que o façam, expressamente. Falta coragem para o fazer expressamente. Até lá, vamos tomando conta de nós, de nós, e dos mais próximos que piores do que nós possam estar. Humanismo é isso. Enquanto a saúde não fôr tratada como um assunto para conhecimento de todos, a saúde é zero. Enquanto não for identificada plenamente como o maior bem a considerar a saúde é zero. Lamentável...

06
Ago22

Ferida

frida_aut_com_colar_de_espinhos.jpg

Muitos costumam dizer que o segredo escondido do ser humano é ser famoso, ficar para a história. Acredito que não. Quem, como eu, lê os clássicos, os estóicos, sabe que a riqueza das palavras de um dos períodos mais marcantes do pensamento filosífico da humanidade é precisamente este, e que, em momento algum, bem pelo contrário, se afirma de uma racinalidade crua e real sobre a natureza humana e seus reflexos. Percorremos a História da Humanidade, a cultura da Humanidade e verificamos que vários dos nomes que a acompanham dariam tudo para não terem ficado da história (presumo). Van Gogh cortou a orelha, Beethoven ficou surdo, Frida Khalo ficou ferida, e, por aí vai.....Muitas vezes o processo criativo acaba por resultar de uma reinvenção que a pessoa tem de fazer face ao facto de as suas circunstâncias pessoais mudarem. Acredito que trocariam a fama por uma vida simples e normal perante os infortunios, já que o sofrimento não é redentor de absolutamente nada, nem castigo divino, é, apenas, um acaso com consequências, um acontecimento ou sucessão de acontecimentos em relação causa efeito. A cultura, as melhores obras literárias não foram de pessoas que sofreram nas suas vidas, ou não foi exclusivamente de pessoas que sofreram nas suas vidas, resultando também da observação empírica das vidas anónimas circundantes. O ser humano é um ser com capacidades físicas, intelectuais, e sensoriais extraordinárias e é desta complexidade e enriquecimento individual e colectivo que resultaram as grandes leis da humanidade, as leis gerais que nos regem, aquilo que alguns tempo atrás diriam, o direito natural. Mas o direito natural é tão somente a concretização de reflexões metafísicas colectivas pelo homem, tal como Deus resulta da sua criação. Não há mais nenhum animal para quem exista Deus senão para o homo sapiens, no entanto, as grandes leis gerais parecem ser experienciadas pelas capacidades intelectuais e sensoriais dos restantes animais do mundo. Saber qual a parte resulta do livre arbitrio e qual parte resulta do determinismo é uma tarefa complexa, porém, não devemos abster de a fazer, pois a dor pode ter tido uma causa, causa essa desconhecida aprioristicamente, mas o sofrimento é opção. Viver com dor, com doença, é, de facto, das coisas mais terríveis do mundo! Seja dor física, seja, até, emocional. Nem todas têm solução, mas todas são dispensáveis ao ser humano, pelo que não deveriam existir. A busca interior é sempre uma obrigação. A complexidade da máquina humana ainda está para ser totalmente revelada. Temos de nos alimentar do tempo, e nunca, deixar de viver, viver é ter esperança. Agir na esperança é a única solução para minimizar os efeitos da dor. Reinventar, mesmo Fridas...

04
Ago22

Viagens e Descobertas interiores e exteriores

space-explorer.jpgViajar ao Espaço é um sonho comum dos mortais. O espaço, o céu têm o dom de nos fascinar pela sua infinitude, pela sua quietude, pela experiência inigualável, pela possibilidade de olhar a beleza perfeita do planeta terra, por tocar  ou ficar mais próximo (para quem acredita, naturalmente) do Criador. Uma das melhores leituras que nos faz sentir "pequenos" de certa forma, em todos os sentidos é o "Elogio da Loucura" de Erasmo, que tem a capacidade de nos distanciarmos de nós próprios, e dos outros, do mundo corrente. Interessante ver que a corrida ao espaço começou em tempos de guerra e foi propulsor de tecnologias que usamos hoje quotidianamente, contrapondo Estados Unidos e Russia, em plena 2a guerra mundial. Aos tempos desta escrita, os mesmos protagonistas se encontram em embate geo-político e confronto escalável, só que, desta vez, a corrida ao espaço faz-se através de empresas privadas, demonstrando que o capitalismo se encontra no seu máximo expoente, tantas as empresas multinacionais com mais poder económico do que a maioria dos Estados Nacionais. Aliás, empresas essas que vêm capturando, o poder político e o poder judicial no seu todo, para influenciar directamente a acão dos Estados e dos decisores políticos, meros mortais. Não querendo fazer crítica por fazer, apenas querendo demonstrar a complexidade do mundo actual, fazer a apologia do sistema torna-se importante: a forma como as sociedades estão organizadas, a forma como as encontrámos quando nascemos é fruto do desenvolvimento humano de milénios. O viver em comunidades gregárias, o ir à escola para aprender, o ir ao hospital quando se está doente, o ir trabalhar todos os dias de manhã, o ter governantes que orientam, mal ou bem, a res publicae, a existência de igrejas para alimentar a espiritualidade individual e colectiva, o viver com quem se ama, o ter dinheiro para trocar por bens materiais (ou imateriais) tudo tem um sentido e uma lógica. A pandemia que nos assolou e nos trancou em casa, veio de alguma forma abalar as estruturas e fazer as pessoas  questionarem-se sobre os rumos que as suas vidas tinham tomado. Sobre a forma e o conteudo das suas vidas, consideradas individual e colectivamente. Alvin Tofler foi o autor que vaticinou que num futuro breve (a que já não assistiu) as pessoas iriam deslocalizar-se dos seus trabalhos formais, deixar os seus trabalhos e passar a viver dos hobbies e interesses que tinham e desenvolviam. A sua previsão estava correcta. A pandemia, aliada às cada vez mais numerosas redes sociais, conjugou o ambiente perfeito para desenvolver esse "tipo de trabalho". Aquilo que era considerado uma perda de tempo, um hobbie no melhor dos casos, foi e é, fonte de receita e de renda mensal, muitas vezes com muito pouco esforço físico ou intelectual, bastava a pessoa ter uma habilidade e estar disposta a compartilhá-la com o mundo. Verdadeiros milionários se desenvolveram nestes últimos anos, novas profissões surgiram: influencer, youtuber, criador de conteúdo, desenvolvedor de websites, eshopper, consultor de tudo e mais alguma coisa, tudo foi alavancado por todo o planeta. A Globalização. Ora a vista do espaço do planeta terra demonstra isso mesmo: que lá de cima, o planeta é só um, somos todos iguais, sem qualquer tipo de discriminação. Chegamos à terra e vemos outras realidades....As viagens e descobertas interiores e exteriores vieram para ficar. Ninguém será sempre igual. Nós, portugueses, tivemos uma apetência e curiosidade, em tempos idos, para nos aventurarmos. Não podemos perder o foguetão....

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D