Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Utopias Concretizaveis

Utopias Concretizáveis é um espaço em busca de um mundo melhor, através dos sentidos, sentimentos e pensamentos da autora, nas suas reflexões intimistas e, quiçá, inspiradoras, marcadamente politizadas.

Utopias Concretizaveis

Utopias Concretizáveis é um espaço em busca de um mundo melhor, através dos sentidos, sentimentos e pensamentos da autora, nas suas reflexões intimistas e, quiçá, inspiradoras, marcadamente politizadas.

29
Jul23

Habitação e lucros

habitação.webp. Enquanto a senhora Lagarde ajuda os seus amigos banqueiros, que todos os dias anunciam lucros estratosféricos e lucros recorde, a "piolheira" na expressão do Rei D. Carlos (aquele que levou com uma bala na testa, imagine-se porquê...), continua sem acesso à habitação, a uma vida digna. Todos os dias são recebidas notícias de senhorios e de inquilinos em contendas, rescisões contratuais ou outras relações que tais. A última semana, para além do anúncio dos lucros dos bancos nunca antes alcançados e dos juros nunca antes tão elevados, tivemos a informação de que, para comprar casa em Lisboa, são necessários cerca de 3 mil euros mensais para liquidar a prestação do empréstimo. Ora, sendo necessário que seja feita a defesa de um direito individual e, deste modo, de familias monoparentais (porque ninguém tem que ser obrigado a viver junto, muito menos por causa de pagar contas....), e tendo em conta que o esforço financeiro estipulado pelos especialistas em finanças pessoais não deve ultrapassar os 30% do rendimento, cada criatura deve arrecadar pelo menos 9 mil euros mensais para poder viver em Lisboa!!! Ora, nem as atividades menos lícitas conseguem obter este tipo de rendimentos durante 20, 30, 40 anos!!!! Quando se vêm apartamentos à venda em Lisboa por milhão e meio de euros (apartamentos novos, sim, ninguém deve ser obrigado a viver em pardilheiros que é do que se trata de metade da habitação em Lisboa, casas antigas, sem condições, sem elevadores, mal estruturadas, sem luz natural, etc, etc...) pergunta-se para quem se destinam as mesmas porque mesmo para nórdicos, alemães, ingleses e americanos (essa raça....) os valores são totalmente fora da realidade....Poderá, por isso concluir-se que o actual estado de situação da habitação em geral em Portugal, e da habitação em Lisboa, em concreto, é completamente incomportável. Se somos bons a fazer grandes eventos (que somos!) porque não fazer o evento da construção de 50 mil habitações em tempo recorde??? Depois há outra possibilidade de mitigação do problema a que o poder político, infelizmente, está completamente alheio, e distante, por inércia ou outro motivo qualquer: o problema de milhares de edificios publicos abandonados que se encontram espalhados um pouco por todo o país. Para além destes dois vectores: fomento da construção nova privada para diminuição dos preços através do aumento da oferta, e recuperação do património público para construção e habitação, há outras duas discussões extremamente importantes a fazer: fomento de cooperativas de habitação, tal como se fez no passado para resolver este mesmo problema, e, habitação social, para quêm, como e porquê? Porque, qual é a diferença entre o roto e o esfarrapado? nenhuma....Se for para ter habitação de graça a vida toda e o requisito for morar numa barraca durante 2/3 anos, acredito que muitos, mas mesmo muitos estarão disponíveis a isso. O problema da habitação é real, é urgentíssimo, e impacta a vida de todo um povo, obrigado a viver onde não quer, agravado pelo facto de os sucessivos governos castrarem as pernas aos funcionários publicos, através da hiper-centralização administrativa da máquina estatal em Lisboa e não apostando na digitalização e trabalho remoto dos seus funcionários. Mais do que ninguém e em primeiro lugar, e uma vez que funcionário publico não é despedido, pelo que o seu trabalho é sempre o mesmo durante a sua carreira de 40 anos, esses poderiam muito bem, ter incentivos para descentralizar, para viver com mais qualidade, fora dos grandes centros urbanos, principalmente, Lisboa e Porto. Falta visão e vontade política. É pena. Os banqueiros agradecem!

22
Jul23

Keanu Reeves: O Homem mais bondoso do mundo!

keanu.jpg.

Keanu Reeves, aquele que já foi considerado um dos homens mais bonitos do mundo é, de facto, um homem bonito, por dentro e por fora. Não cultiva o estilo de vagabundo ou abardinado por provocação ou por convição, simplesmente, não quer saber. Se há coisa que Keanu Reeves tem é fama, beleza e dinheiro, afinal, tudo o que um homem (e uma mulher) supostamente almejam, ainda assim, este elogio é acerca do comportamento humilde, bondoso, enriquecedor, empático, solidário que Keanu e o seu infinito coração têm. Este homem, com uma fortuna avaliada em 380 milhões de dólares, filho de mãe "dançarina" inglesa e pai geólogo libanês, tem feito o que mais ninguém faz.....Doa tudo....Tudo o que o universo deu a Keanu Reeves, Keanu deu de volta, a desconhecidos, conhecendo-os, fazendo verdadeiras amizades com os homens e as mulheres mais comuns e condições de vida mais desfavoráveis que há. Keannu deu para investigação do cancro, da covid, para crianças desfavorecidas, para animais e natureza, para os seus colaboradores de trabalho, para sem-abrigo estranhos com quem senta no chão e partilha comida, cigarros e histórias....Tudo na completa discrição. Keanu sabe que o dinheiro muda vidas, salva vidas e não se coíbe de doar, nunca, pois se há coisa que espera a todos no futuro é um fim para onde não se leva dinheiro, leva-se o que se recebeu em vida, amor, respeito, alegria e admiração. Infelizmente a sua mentalidade é de dificil replicação, pois os milionários acidentais usualmente não dão nada de volta, o retorno faz-se de outras formas, ou não se faz nunca. Por isso que a existência de um Estado se justifica, não só para gestão e organização da casa comum (mal e porcamente) como também para a tarefa de redistribuição e proteção dos mais desfavorecidos. A diferença entre sociedade e comunidade é precisamente uma diferença entre dia e noite, água e vinho, preto e branco.....As sociedades são compostas por conjuntos de pessoas em determinado tempo e espaço e as comunidades são muito mais para além disso, podendo até não ser condição sine qua non essa junção espacial/temporal, é partilha de valores, de história comum, de tradições, de comportamentos, visões do mundo.... Para o bem e para um futuro melhor da humanidade para todos, lembrando que Keanu era o protagonista de Matrix, o filme sobre a existência de universos paralelos, tão discutidamente investigados pela ciência, Keanu protagoniza na vida real um conjunto de valores e comportamentos que deveriam servir de exemplo para construir um universo real, que não fosse paralelo, onde dar/doar/comungar fosse o verdadeiro sentido da vida para todos os individuos da comunidade....

15
Jul23

Ronaldo, Arnault, e Portugal

ronaldo.jpg.

Cristiano Ronaldo está em posição de fazer cheque mate. Ronaldo, o português mais famoso de sempre e a figura mais seguida no instagram tem tanta popularidade como ninguém, por todo o globo, em cada canto do mundo, com duas grandes vantagens: é um homem inteligente e é um homem novo. Daí que, desde sempre Cristiano Ronaldo se rodeou de pessoas da sua confiança para lhe fazerem a gestão da imagem e a gestão da riqueza, dos negócios e dos investimentos. Há inumeras pessoas que fizeram fortuna imensa após os 40 ou 50 anos, do zero, alguns com duvidosas metodologias comportamentais e éticas. Ronaldo não. Veio da extrema pobreza e, com o seu talento, o seu trabalho, e, sublinhe-se, com honestidade, conquistou o lugar de homem mais rico de Portugal é um dos 3 mil mais ricos do mundo. É obra! Em consequência, o homem mais rico do mundo, Bernard Arnault, fechou parceria comercial para campanha publicitária de venda de produtos de luxo com este. Ora, reside aqui o busilis. Ronaldo tem sido criticado pelos invejosos por causa das suas escolhas profissionais e das suas apostas de investimento, como as mais recentes, da água e da comunicação social. Sim, é o homem mais poderoso de Portugal. Sim, gera incómodo...Arnault fez fortuna jogando com a herança da louca da Maria Antonieta: a moda. Arnault, dono da Louis Vitton, o homem mais rico do mundo, mandou fazer umas peças de roupa e umas malas, colocou no marketing (e no preço) que eram os artigos mais luxuosos do mundo e os tótós do planeta (e as tótós) compram como pãezinhos quentes, para ostentar, fazendo subir os seus egos inflados e deprimentes. Ronaldo não tem herança, tem a cultura portuguesa, o que por si só já é muito, poderá fazer dele, ele poderá fazer na vida o que ele quiser, incluíndo destronar Bernard Arnault seja como produtor de artigos de luxo, seja como homem mais rico do mundo. Ronaldo tem essa capacidade. Está nas suas mãos. Provavelmente não está nas suas ambições, dado que o homem parece só querer (e gostar) de jogar à bola. Ronaldo em Portugal vai fazer diferença. Assim que Ronaldo se reformar, terá tempo. Terá muito tempo para fazer muita coisa. E muito dinheiro disponível. Ainda que dinheiro seja a coisa mais fácil de fazer desaparecer, e mais rápida, Ronaldo sabe o quanto vale cada gota do seu. Cada tostão está em cada gota de suor. Está nas mãos de Ronaldo contribuir para o progresso do país, dinamizar industrias e sectores de actividade em Portugal, fazendo contribuir para o desenvolvimento do país, gerar efeito multiplicador do seu dinheiro no país. Ronaldo, como a SEDES gostaria, é capaz de multiplicar o PIB nacional em uma década, e até, em menos. Se Ronaldo se lembrar de querer o lugar do senhor Bernard Arnault, terá Portugal rendido aos seus pés, como de um faraó, um imperador se tratasse. O efeito multiplicador do dinheiro de Ronaldo pode ser absolutamente decisivo para Portugal avançar o que merece, o que as suas gentes merecem, para viver em dignidade. São vários os sectores de actividade em que já se movimenta, desde o sector da beleza, ao sector imobiliário, hoteleiro, e da comunicação social, a expansão dos negócios a outros sectores será peça chave, e porá o país a mexer, o país no mapa do mundo, feito que, a Ronaldo, já ninguém tira. Um jogo win-win, se ele quiser e  se se rodear dos melhores, mais honestos e mais competentes, fará uma diferença abismal neste país à beira mar plantado. UUUUUhhhhhhhhhhh!!!!!!!!

14
Jul23

Corrupção

money.webp.

A corrupção é das maiores chagas das sociedades, pois elimina a meritocracia, entrava o progresso e desenvolvimento, acentua infinitamente as desigualdades e retira a quem menos tem para dar a quem mais tem. A corrupção rouba camas de hospitais, rouba tratamentos médicos, rouba educação, rouba vidas. A corrupção mata. Quando as sociedades deixam que os crimes económicos de colarinho branco imperem e proliferem ainda por cima, impunemente, está a cravar pregos no seu caixão, e na sua vida, na sua idade avançada, em todos os momentos da sua vida. O sistema é feito de corruptos, por corruptos e para corruptos. As tentações estão cada vez mais fortes, mais apelativas, mais próximas, e o egoísmo é enorme! Nunca como antes tivemos um estado de bem estar tão forte, nunca no mundo se viveu tão bem, com tantas oportunidades, e nunca no mundo houve tanta corrupção, tanto crime, tanta sofreguidão por dinheiro. Dinheiro, porém, é uma ilusão. Não compra amigos (só falsos), não compra saúde, não compra beleza, não compra amor, não compra carácter. Quando assistimos à presença de grandes empresas, de grandes monopólios, de grandes sectores de negócios, normalmente estamos perante pessoas sem escrupulos. Não estou a dizer que as pessoas ricas são todas fdp's, bem pelo contrário, mas é muito suspeito quando "nascem" empresários milionários sem que lhes tenha sido seguido o percurso profissional de forma clara e transparente. Portugal está cheio deles. Nesse aspecto ganha e continua a ganhar o género masculino, porque se protegem sempre e se protegem muito bem, aliás, o sistema patriarcal, machista, irá sempre imperar e reinar nos negócios, seja pelo carácter (ou falta dele) seja pelas circunstâncias bastante favoráveis com que eles se encontram face aos obstáculos com que elas se deparam. Nesse aspecto, creio que as mulheres não serão tão gananciosas, tão sem escrupulos, e tão "criativas" quanto os homens. A História está feita de homens (e por homens) daí a proliferação das guerras, das desigualdades, dos problemas da humanidade. A única diferença entre os dias de hoje e um ou dois séculos atrás é que antes jogava-se a própria vida nos négócios....Hoje não. Não acontece nada, todos compactuam e querem uma fatia do bolo, incluindo os detentores do verdadeiro poder. Começa a haver uma percepção mais real e rigorosa, quantitativamente e comparativamente falando, da riqueza que alguns acumulam. O ranking dos mais ricos do mundo pode até estar ( e está) enviesada, dada a omissão por inoportunidade de cáculo do poder finaceiro de famílias "secretas" e também de figuras menos recomendáveis, mas a quem muitos iriam apertar a mão. O problema está na falta de consequência destes actos. Não admira que em países orientais eles sejam mais firmes neste tipo de questões, sendo eles tradicionalmente culturas diferentes das nossas. Ora, o mundo do livre mercado, do liberalismo, do capitalismo, o que produziu muito foram oligarcas e monopolistas, os intocáveis do sistema, sistema esse que está completamente podre e onde não funciona nem mercado livre, nem meritocracia nem aquelas coisas que os liberais gostam de vomitar (mas que os outros criticam e fazem igual). Enquanto a impunidade reinar o progresso estará sempre bastante condicionado, as sociedades sempre substituirão as comunidades e as vidas se continuarão a viver em processos de autofagia...É pena...

09
Jul23

Notas Soltas - Portugal e o Mundo

reality.jpg.

1. Portugal tem estado numa ambivalência dicotómica estranha. Por um lado, depara-se com crescimento económico (real ou aparente), com consumo frenético nos centros comerciais a dias de semana e nas redes virtuais, viagens intra-nacionais (nunca se viram tantos carros a fazer tantos kms em tão pouco tempo) e internacionais (viagens esgotadas e lotadas para os mais diversos destinos fora de Portugal), por outro lado, constantemente oiço pessoas comentar acerca da crise, das dificuldades económicas, da escassez monetária, dos elevados preços dos bens essenciais. O que se passa é simples: é o triunfo da aparência em detrimento da substância. As pessoas não têm dinheiro sim e o que compram é a crédito, minimizam ao máximo os encargos mais pesados, como o encargo da habitação. A habitação tornou-se uma das chagas mais complicadas deste país. Sobrelotação de fogos, falta de oferta, preços absurdos. Basicamente as pessoas moram onde podem sem terem de pagar os preços de mercado, os preços dignos. A vida partilhada quando antes era uma opção agora tornou-se uma imposição. Mesmo no mundo rural, os valores praticados são completamente incomportáveis para quem quer viver. Não havendo esse gasto, por impossibilidade económica, há uma fatia da população com mais rendimento, situação que se verifica há décadas pois desde os estudos da OCDE que Portugal sempre foi, a par da Itália, o país onde os filhos mais tarde saem de casa.....quando saem....Por outro lado, há uma outra franja da população que aproveitou as oportunidades nos ultimos 5/8 anos e fez dinheiro sobre as mais diversas formas. Essa franja da população encontra-se em situação económica mais confortável, ainda assim vamos ouvindo falar de esta ou aquela figura publica que confessa estar com um efeito downsize no estilo de vida e confessa também as dificuldades. É um país de aparência, com tudo o que isso trás de mau. (a inveja, a cobiça, a vigarice, a futilidade, a falta de caráter e de escrupulos). A outra chaga é o desemprego e os baixos salários. A propaganda gosta de atirar as culpas para a baixa produtividade dos portugueses, mas é curioso que os portugueses atravessam fronteiras e, por magia, tornam-se produtivos e elogiados. Outro dos discursos é contra os apoios sociais com o motivo de que as pessoas não querem trabalhar e há muito trabalho disponível. Sim, há muito trabalho disponível, mas ele está localizado onde as pessoas residem? E o que lhes pagam de salário cobre bem as despesas de deslocação e alimentação fora ou as pessoas têm de pagar para trabalhar? A hotelaria e restauração que são os sectores tradicionalmente que mais queixas têm de falta de pessoal, pagam o salário mínimo, dão trabalho por 4/5 meses, exigem curso superior na área (?) (como se uma pessoa para saber cozinhar precisasse de um curso ou para estar na recepção ou na logística de um hotel precisasse de um curso, mas, enfim, é a lógica dos lóbies do ensino superior em Portugal e a herança pesada do Salazarismo e seu corporativismo), exigem 3 ou 4 línguas faladas, disponibilidade horário 24 sobre 24 horas e não pagam extras nenhums, obtendo lucros e lucros astronómicos. Outra chaga é a imigração totalmente descontrolada, sem critério e cheio de burocracias. Portugal encontra-se, neste momento, a receber pessoas de todo o mundo, africanos, asiáticos, e sul-americanos, que vêm em busca de segurança e melhores condições de vida, sujeitando-se a viver mais 7, 8, 9 pessoas no mesmo quarto, seja na capital a fazer de uber, seja no mundo rural na agricultura. Escravatura descontrolada. O próprio país tem recursos humanos para fazer uma boa parte desses trabalhos. Negá-lo é não conhecer a realidade do país. Por outro lado vêm Europeus e da América Norte usufruir dos nossos preços baixos explorando os nossos recursos económicos e sociais e distorcendo totalmente mercados, como o mercado da habitação e da hotelaria. Alguns até afirmam que não querem fazer parte do agravamento de um problema que eles próprios ajudaram a criar, justificando que recorrem ao sistema privado para a prestação dos serviços de que necessitam. Ora é um argumento absurdo! O número de médicos no país é limitado, independentemente de eles trabalharem no privado ou no publico, o aumento da imigração veio aumentar per capita o rácio população/médicos, para além de que, com a continua privatização do serviço nacional de saude por métodos indirectos, os custos e o acesso dos portugueses aos cuidados de saúde agravou-se exponencialmente. É a americanização da Europa, no fundo, com tudo o que isso trás de mau, porque de bom, desconheço o que traga. E aqui se escreve acerca do estado da saúde em Portugal sem se ignorar estes factores e variáveis. Quanto à educação, num momento em que vivemos o mais espantoso progresso tecnológico e as mais vantajosas oportunidades de sempre eis que o mundo futil, rápido, de distração permanente, sem sentido crítico se impõe, aliada a uma população envelhecida que possui experiência de vida mas fica para trás no conhecimento e no apelo à curiosidade dos mais pequenos...

2. O mundo. O mundo está em franco retrocesso. As disparidades e injustiças, os problemas transfronteiriços e as guerras vieram perturbar um clima de desenvolvimento e de progresso económico-social mundial. Os infinitos egos nacionais acerca de quem tem mais poder Russia ou Ucrânia, EUA ou China, todos os outros juntos, aliados e inimigos em simultâneo, numas coisas ou noutras, faz do mundo um sítio feio, mal frequentado, doente, e esquizofrénico. A fome alastra, a riqueza de poucos também. O que move o mundo? O dinheiro e o sexo. Egos, egos tão grandes que se sentem Deuses, infinitos, quando a morte é certa e a próxima morada igual para todos, 7 palmos de terra....mundo tão estúpido! A população continua a crescer desenfreadamente nos locais onde não existem o mínimo de condições para tal. A poluição está em níveis alarmantes, temos 8 anos de vida enquanto planeta sustentável, nenhum acordo político passa disso, acordo, palavras, actos nem vê-los. Num mundo que manda prender Assanges e Pintos, porque o sistema é demasiado importante e tem tantos podres e tão mal cheirosos que qualquer levantar do pano tresanda....As pessoas são más, ruins, feias, porcas e calhordas. O mundo é um lugar lindo e rico e as pessoas estragam tudo, estes animais, estes bichos (mal) pensantes....bichos....Bichos com o poder de terminar com qualquer bicho e aniquilar tudo aquilo que conhecemos, tudo aquilo que existe, tudo o que nos rodeia. A eminência de uma guerra mundial, os perigos das extremas direitas, são questões que têm de estar bem presentes nas cabeças das pessoas para que todas possam escolher o lado certo, a vibração energética mais forte, o bem, e não o seu total oposto. O mundo dá uma volta, todos os dias, sobre si...Talvez girando ao contrário endireitasse o seu eixo....

 

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D